Você está aqui: Home Notícias Criança e Adolescente Juventudes discutem estratégias de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes no Sul

Juventudes discutem estratégias de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes no Sul

E-mail Imprimir PDF

A participação das juventudes na transformação de contextos que facilitam o abuso e a exploração sexual de meninas e meninos é tema de evento realizado no próximo final de semana, dias 29 e 30 de outubro, no Hotel Paraná Golf, em São José dos Pinhais/PR.

A Oficina de Articulação da Juventude da Região Sul para o Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes reúne 60 adolescentes e jovens do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul e tem como objetivo fomentar a articulação deste grupo para uma atuação coletiva, criativa, dinâmica e transformadora no enfrentamento das violências sexuais contra meninas e meninos. O evento é uma iniciativa do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, em parceria com as redes estaduais de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes da Região Sul, o Cecria – Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Crianças e Adolescentes, a Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República e a Ciranda – Central de Notícias dos Direitos da Infância e Adolescência.

Na Oficina será realizada a construção de uma carta política, com o posicionamento dos participantes sobre os temas discutidos, e de um Plano de Ação para ser desenvolvido pelos adolescentes e jovens no próximo ano. Participação e Protagonismo juvenil O Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes – documento que desde 2000 norteia ações do governo e da sociedade civil, traçando diretrizes de políticas, programas e serviços com foco na promoção e proteção dos direitos sexuais de meninas e meninos – tem como um de seus eixos o Protagonismo Juvenil. Este eixo coloca o adolescente e o jovem na dianteira dos processos de mobilização da sociedade, articulações de rede, campanhas e estratégias de promoção e defesa de direitos. De acordo com a secretária executiva do Comitê Nacional, Karina Figueiredo, um dos principais desafios é quebrar com o pensamento de que adolescentes e jovens não têm maturidade suficiente para liderar essa discussão. “O jovem precisa contribuir com a prevenção da violência. Esse engajamento é fundamental e a juventude deve levar isso para as suas escolas, comunidades e organizações”, aponta.

O Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes é uma instância da sociedade civil, democrática e plural, que tem como objetivos o monitoramento do Plano Nacional e a articulação e mobilização permanente de sujeitos e instâncias governamentais e não-governamentais para implementação de estratégias de enfrentamento às violações dos direitos humanos sexuais de crianças e adolescentes. Para potencializar a participação e o protagonismo juvenil neste âmbito, o Comitê Nacional tem em sua coordenação colegiada meninas e meninos representantes das cinco regiões do país. Eles estarão presentes na Oficina para compartilhar as experiências das juventudes em seus territórios. Para a representante jovem da Região Sul, a estudante Érica Ribeiro, é estratégico que determinadas ações sejam desenvolvidas por jovens quando se trata de violência sexual. “A juventude tem um poder de mobilização e sensibilização muito forte. E como é uma realidade que nos afeta queremos sim modificá-la”, explica. Por se tratar de uma questão que envolve diversos tabus –a sexualidade –, Érica ressalta que a compreensão da problemática é mais facilitada quando o interlocutor é outro jovem, que se utiliza de linguagens e meios comuns, como a internet.

FONTE: Matéria publicada no site http://www.comitenacional.org.br

Última atualização ( Sex, 28 de Outubro de 2011 17:22 )  

Semana Social Brasileira

5ssb

Notícias da Pastoral do Menor pelo Brasil!

Informativo87

BRASIL - Mapa da Violência 2012

Mapa_da_Violncia_2012